domingo, 21 de setembro de 2008

DIA DO DOENTE COM ALZHEIMER

A doença de Alzheimer é uma forma degenerativa de demência e caracteriza-se pela perda de memória. A evolução da doença de Alzheimer é muito lenta, pelo menos no princípio. Bom, isto quase todos nós sabemos. O pior é ter mesmo que lidar e assistir à degeneração de uma pessoa com este problema, pior ainda quando - e geralmente é assim - são familiares próximos e queridos.

Até hoje só tive o caso de um familiar próximo com este problema e foi muito doloroso acompanhar toda a evolução da doença, que nem sequer demorou muitos anos. No fim, nunca se percebeu bem se o problema era mesmo Alzheimer - para mim não era, mas os médicos é que sabem! - ou se era a mistura de vários problemas e várias degenerações.

Mas, com casos próximos ou não, nenhum de nós estará a salvo de passar por momentos de angústia relacionados com esta doença. E isto porque dos cerca de 60 mil doentes de Alzheimer em Portugal - serão muito mais, porventura, mas os sintomas também são difíceis de caracterizar - com o envelhecimento acelerado da população em Portugal e a influência de maus hábitos de vida das pessoas, os doentes de Alzheimer vão aumentar exponencialmente. E é bom estarmos preparados para isso e fazer alguma prevenção, pois os primeiros sintomas começam cada vez mais cedo.

Às vezes brincamos com estas coisas mas tudo isto é muito sério! Aqui fica a minha pequena homenagem a doentes de Alzheimer e em especial às suas famílias!

7 comentários:

Maria, Simplesmente disse...

Porque era "anónima".
Que a próxima semana seja boa
Maria

Bichodeconta disse...

Tema interessante, como é teu hábito..Um abraço e boa semana..Voltarei aqui para te ler, para deixar comentário se para tanto sentir coragem..O tema promete..

Marta disse...

Uma realidade que conheço bem - uma vez que o meu Pai é um Doente com Alzheimer...
Há muito a dizer...
Beijos e abraços
Marta

Sei que existes disse...

Cá fico à espera de o ler...
Beijocas grandes

Lia disse...

Uma realidade dura...e que infelizmente ,conheço... :0(os doentes deixam de conhecer os próprios familiares,acabam por esquecer como se realiza a mais pequena tarefa(como comer)uma doença progressiva e irreversível...bom post Alex;0)
Beijocas

Filoxera disse...

A conjugação do início da música do Sérgio Godinho com este post lembrou-me de deixar este comentário:
Na doença de Alzheimer, no início não se está sozinho, mas no fim, está. Completamente; não só porque não se reconhecem as pessoas mais próximas, como também os amigos desaparecem. Dizem "prefiro lembrar-me dele(a) como era, sem pensarem em nós, os que amamos esse doente e nos sentimos cada vez mais abandonados.
É muito duro, não desejo este calvário por que passei a ninguém.
Um beijo grande.

Anónimo disse...

Esta é uma das doenças pela qual tenho mais medo e mais respeito. E apesar de todos os cuidados
que se possam ter acho que nunca são suficientes. Encontrei este site desta empresa Portuguesa e
eles têm um localizador GPS para estas situações, não sei se alguém conhece mas acho realmente uma
grande ideia.

www.inosat.com/consumer

Abraço